Enter your keyword

post

Demência e Musicoterapia

Demência e Musicoterapia

Em nossos posts buscamos sempre enfatizar que as perdas (comuns no cenário da velhice) não devem ofuscar a valorização do ser. Hoje vamos pincelar rapidamente sobre a realização desta valorização utilizando da música.

 

Mesmo que o idoso apresente uma grande incapacidade, ele nunca ficará sem tudo, em absoluta perda. Acreditamos que aspectos essenciais e individuais da personalidade sobrevivam às limitações causadas pelos quadros demenciais.

Musicoterapia

O que sobrevive também é a resposta perante a música. Isso acontece porque a percepção, emoção, memória e sensibilidade à música estão preservadas.

Para o neurologista Oliver Sacks, o objetivo da musicoterapia para pessoas com demências é “atingir as emoções, as faculdades cognitivas, os pensamentos e memórias, o self sobrevivente desse indivíduo, para estimulá-los e fazê-los aflorar”.

O idoso parece transcender sua doença enquanto a música acontece, e alguns efeitos como a melhora do comportamento e do humor podem ser mais duradouros. A música soa como algo familiar num mundo perdido e confuso, enriquecendo suas existências.

A música é parte constitutiva e necessária do homem. Sua utilização com idosos pode trazer vários benefícios ao acessar memórias, pensamentos e emoções já esquecidas, ou ainda: despertar novos sentimentos, mostrando que ainda existe uma pessoa ali, escondida atrás da doença.

Este é um assunto valioso e não se encerra por aqui! Quer colaborar ou saber mais? Escreva para Kairós!

No Comments

Add your review

Your email address will not be published.